GD Virtual - Sites e Sistemas Inteligentes
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Publicidade

Hospital de Rio Preto utiliza pulmão artificial

Equipamento para pacientes de UTI. Existem poucos no interior de SP

Publicado em: 13 de abril de 2021 às 17:01

Hospital de Rio Preto utiliza pulmão artificial
Nossa região é reconhecida pela estrutura da saúde que, comparada a do país,oferece avanços e boa qualidade de serviços. Exemplo abaixo de um hospital referência para sua cidade, que traz uma notícia boa apopulação.

AEcmo (oxigenação por membrana extracorpórea) ganhou notoriedade ao ser utilizada no ator Paulo Gustavo. OAUSTA hospital é o primeiro da região a utilizar este "pulmão artificial" em paciente em tratamento da covid-19, internado na UTI.

As fotos em anexo são profissionais do AUSTA hospital que fizeram curso paraoperar o Sistema Solis, aparelho que realizar a Ecmo




AUSTA hospital é o primeiro da região a utilizar a terapia de oxigenação por membrana extracorpórea (Ecmo) em paciente internado na instituição devido a covid-19

Pela primeira vez, um hospital da cidade realiza tratamento com terapia baseada na oxigenação por membrana extracorpórea, conhecida por Ecmo (na sigla em inglês), em paciente em tratamento de covid-19. O AUSTA hospital, de São José do Rio Preto, está utilizando este equipamento em um homem de 48 anos, morador da cidade, desde o último domingo (11 de abril).

A Ecmo despertou atenção da sociedade e da mídia nos últimos dias por estar sendo utilizado no suporte ao ator Paulo Gustavo, internado em hospital do Rio de Janeiro em decorrência de complicações de covid-19.

O aparelho possibilita respiração extracorpórea (fora do corpo), utilizada como recurso final quando aparelhos de ventilação mecânica, que atuam como respiradores artificiais, não surtem mais efeito. É uma espécie de pulmão artificial, que drena o sangue para fora do paciente através de cateteres, faz sua oxigenação com auxílio de uma membrana polimérica e o devolve para o doente. É um tratamento invasivo de suporte à vida que pode ajudar a manter o paciente até que o pulmão se recupere.

Em Rio Preto e na região, o AUSTA hospital tornou-se a primeira instituição de saúde a ter um paciente internado cujo tratamento emprega o suporte da Ecmo. Utilizá-lo também foi possível porque o AUSTA conta com equipe multidisciplinar com conhecimento técnico do aparelho.

Neste final de semana, o AUSTA hospital realizou curso intensivo sobre oxigenação por membrana extracorpórea, utilizando esta máquina, batizada de Sistema Solis e desenvolvida pela Braile Biomédica e pelo Instituto de Pesquisas Eldorado, de Campinas (SP), uma das unidades da Embrapii (Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial).O curso reuniu 25 profissionais do hospital, entre médicos cirurgiões cardíacos e torácicos, pneumologistas, cardiologistas, intensivistas, perfusionistas, enfermeiros, técnicos de enfermagem e fisioterapeutas.

Para o cardiologista e especialista em Unidade de Terapia Intensiva Mário Jabur Filho, diretor presidente do AUSTA, é grande alento para os profissionais de saúde dispor da oxigenação por membrana extracorpórea como alternativa terapêutica para pacientes com quadro clínico grave, internados em UTIs. "O tratamento permite manter o paciente oxigenado nos casos em que o pulmão não é capaz de realizar a tarefa de oxigenação de maneira adequada, mesmo com o paciente intubado e recebendo oxigênio a 80%", afirma, dr. Mário Jabur Filho.

Ele ressalta, no entanto, que o uso da Ecmo deve ser avaliado com bastante critério pela equipe multiprofissional. “Não são todos os pacientes que podem ter este recurso. Devemos avaliar uma série de aspectos clínicos e particulares do paciente, além de seu quadro de saúde, para decidir se usaremos a máquina de respiração extracorpórea, ressaltando complicações hemorrágicas e trombóticas, pois o paciente precisa permanecer anticoagulado”.

Foi o que aconteceu com este paciente de 48 anos que internou no AUSTA hospital no dia 23 de março com covid-19. Seu quadro clínico não evoluiu de maneira satisfatória, e ele foi transferido para a UTI com insuficiência respiratória refratária. “Nossa equipe avaliou com bastante critério o quadro clínico e, considerando que as terapias até então adotadas não estavam surtindo efeito, decidiu pela Ecmo”, disse dr. Jabur.

Na manhã desta terça-feira, 13 de abril, o paciente permanece internado na UTI.

Publicidade