GD Virtual - Sites e Sistemas Inteligentes
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Publicidade

Carta apreendida determinava morte de policial na região.Denarc esteve em Cardoso

Carta apreendida determinava morte de policial na região.Denarc esteve em Cardoso

Publicado em: 24 de outubro de 2012 às 07:56

Seis homens presos pelo Departamento de Investigações Sobre Narcóticos (Denarc) na última sexta-feira em Rio Preto planejavam atentados contra policiais militares. Com um deles, a polícia apreendeu uma carta da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) ordenando os ataques contra PMs de Rio Preto e Mirassol. Agentes doDenarc também estiveram Cardoso, onde há uma célula do PCC.
“Aos nossos irmãos de São José do Rio Preto, fica expresso pagar sangue com sangue”, informa um trecho da carta. Os líderes do PCC, não identificados no documento, pedem ainda que a ordem para os atentados seja transmitida em reuniões entre os integrantes do “partido”. “O salve tem que ser dado de boca em boca (...), através de reuniões da irmandade.” Segundo o Denarc, os atentados ocorreriam no último fim de semana.

Os nomes dos detidos não foram divulgados pela polícia. O destinatário do documento, a quem caberia cumprir a ordem, era um detento do Centro de Progressão Penitenciária (CPP) beneficiado com a saída temporária de dia das crianças que não retornou ao presídio no último dia 15. Integrantes da facção foram buscá-lo em frente ao presídio no dia 11, véspera do feriado, conforme as conversas captadas pelo Denarc: “Nós vai sair daqui mais ou menos nove e meia, dez hora. Vocês têm que tá aqui pra tirar nós da portaria aqui”, diz o reeducando. “É isso mesmo, mano, fechou”, responde o comparsa.

O próximo passo da investigação, segundo o delegado que cuidou do caso, Antonio de Olim, será identificar o autor da carta. “No papel, há o número da matrícula prisional dele. Agora, vamos chegar até ele com o auxílio da SAP (Secretaria de Estado da Administração Penitenciária)”, disse.

O Denarc chegou até o grupo por meio de interceptações telefônicas que duraram três meses. As investigações levaram os policiais até um sítio na periferia da cidade que servia como laboratório de preparo da droga. No local havia um homem e um adolescente. Escondido no fundo falso de um sofá, os policiais encontraram três quilos de cocaína. “Tudo indica que eles traficam no atacado, não no varejo”, afirmou o delegado.

Detida, a dupla indicou o local onde os demais integrantes da quadrilha estavam reunidos, em uma casa a 14 quilômetros da chácara. Na reunião, diz o delegado, o grupo acertava os últimos detalhes dos ataques. Os cinco maiores foram presos em flagrante, e indiciados por tráfico e formação de quadrilha. O adolescente foi apreendido. Todos foram levados a São Paulo. Segundo Olim, nos próximos dias o inquérito será encaminhado à Delegacia Seccional de Rio Preto



(Com Diário da Região)

Publicidade