GD Virtual - Sites e Sistemas Inteligentes
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
Publicidade

GRUPO DE JALES LIDERADO POR PADRE VAI CUIDAR DE ÍNDIOS NA AMAZÔNIA

Os 36 voluntários embarcaram hoje (5) para missão com ribeirinhos de Manaus

Publicado em: 05 de janeiro de 2019 às 10:02

GRUPO DE JALES LIDERADO POR PADRE VAI CUIDAR DE ÍNDIOS NA AMAZÔNIA
Embarcaram neste sábado, Os 36 voluntários de Jales embarcaram neste sábado (5) com destino pra Amazônia, com a primeira edição da Missão UNIVIDA em reservas indígenas daquele estado.

A UNIVIDA (Associação Humanitária Universitários em Defesa da Vida) da Diocese de Jales, realiza desde 2012 missões humanitárias nas aldeias indígenas de Dourados-MS, levando jovens universitários e profissionais a praticar seus dons e talentos com amor e atenção aos mais necessitados. Desta vez ás missões se ampliarão para a Amazônia, visando levar atendimento aos ribeirinhos e indígenas, locados na região próxima à Manaus-AM.

O Padre Eduardo Lima é o Fundador e responsável pelas Missões UNIVIDA. Na Diocese de Jales é o Assessor Diocesano da Pastoral Universitária, na qual desenvolve diversos trabalhos com os jovens universitários das instituições de ensino parceiras da Missão.

“A Amazônia sempre foi o desafio da UNIVIDA. É chegar muito além da nossa própria fronteira, território que se iniciou em Santa Fé do Sul, expandiu-se para localidades da Diocese de Jales, levou-nos até a Reserva Indígena de Dourados/MS e nos preparou para este grande deslocamento. Será um desafio, levar 36 voluntários além do que já conhecemos. Mas este é o objetivo, desafiarmo-nos sempre, na busca do outro. ”afirmou o padre.

Segundo o Padre Eduardo, o processo de seleção foi moroso, em função do elevado número de inscritos, muito superior às vagas oferecidas. Para esta primeira missão na Amazônia 35 voluntários, entre eles universitários e profissionais que já participaram de outras missões UNIVIDA, foram selecionados e vivenciarão a missão durante 10 dias, do dia cinco até o dia 15 de janeiro de 2019.

“Para nós é um momento muito especial, estamos nesta expectativa com ansiedade imaginando que esse processo de humanização que acontece a quase dez anos em Dourados (MS) com nossos irmãos indígenas, agora se estende para outras terras, vamos desbravar outros lugares e a Amazônia para nos tem um sentido todo especial, não falamos somente de ações culturais, mas de um povo que tem um grito sufocado por liberdade, por justiça e igualdade, mas também um povo que está muitas vezes esquecido e nos daremos voz a este povo, somos um grito da Amazônia para muitos lugares do nosso país”, concluiu o padre.




(Com Rádio Assunção)


Publicidade